Hospital São Rafael realiza implante auditivo inédito na Bahia

O Hospital São Rafael, unidade Rede D’Or, realizou implante auditivo inédito na Bahia, o implante coclear com tecnologia da Cochlear, uma das mais conceituadas no mundo e que vem se tornando cada vez mais acessível no Brasil.  Um dispositivo interligado a um discreto aparelho externo (processador de fala) é implantado na cóclea, permitindo a emissão de estímulos elétricos que proporcionam ao paciente a recuperação das sensações sonoras. O implante é feito a partir de uma intervenção cirúrgica minimamente invasiva, necessitando de apenas um dia de internação, e envolve uma equipe médica formada por otorrino, fonoaudiólogo e anestesista.

A paciente que recebeu o implante coclear e o mais novo processador de fala Kanso 2 tem 44 anos, e apresentava, há muitos anos, perda auditiva profunda em ambos ouvidos, comprometendo severamente a sua capacidade de ouvir, até mesmo a sua própria voz. Dr. José Andrade, médico Otorrino no Hospital São Rafael, explica que para identificar um potencial receptor para um implante coclear, são realizados testes audiológicos de ganho funcional e de performance da fala.

“Este procedimento é indicado para pacientes com perdas auditivas de grau severo a profundo. Se com os aparelhos convencionais, o paciente não apresentar boa compreensão, ele é um candidato à cirurgia de implante coclear. A tecnologia do processador de fala Kanso2 conta com peça única externa de fácil manuseio e permite facilidades como baterias recarregáveis e conexão, por exemplo, com celulares e tablets, uma maior conectividade e qualidade sonora que fazem diferença para o paciente no dia a dia”, reforça o Otorrino.

Impactos emocionais e cognitivos da surdez

O especialista alerta sobre a importância de procurar ajuda médica em caso de perda auditiva parcial ou total. “Existe muita resistência e preconceito envolvidos, mas viver sem ouvir é algo que tem grande impacto cognitivo e emocional. Há estudos que correlacionam a surdez a depressão e a demências, dentre elas, doença de Alzheimer”, destaca Dr. Andrade. Um implante coclear pode ser feito em pacientes de qualquer idade, necessitando uma avaliação precisa e individualizada. Em crianças que nunca ouviram, o implante deve ser feito, idealmente, entre 1 e 2 anos de vida, melhor período para estimulação cerebral da linguagem.

Em janeiro deste ano, o Hospital São Rafael realizou, também pela primeira vez, um implante auditivo osteoancorado (OSIA). O paciente submetido ao procedimento tem 54 anos. Trata-se de uma prótese osteointegrada que pode ser indicada para pacientes com surdez total unilateral, ou ainda para casos de malformações e doenças da orelha externa. Para este tipo de implante o paciente é internado por um dia, e o procedimento é feito com anestesia local.

Mais Recentes

CONTATO

Fale conosco!

Copyright 2021 © AC COMUNICAÇÃO | Todos os Direitos Reservados